+ Mike Will Made It defende Miley
Posted on: 13 Setembro, 2013 by aiav Filed Under: Curiosidades, Entrevistas Comentários: Nenhum comentário

Numa recente entrevista, Mike Will Made It defendeu Miley Cyrus.

Confere o que disse:

 

O primeiro single do álbum é “23.” A última vez que falámos foi antes de ficares amigo da Miley. Agora são inseparáveis. Qual é a tua resposta à controvérsia à volta dela agora?
Eu olho para ela como faço a música. Ela é fã de toda a música, tal como eu. Muitas vezes, as pessoas mais velhas não percebem a nova geração. A nova geração vai ouvir uma música pop, uma música hip-hop, e voltam e ouvem outra música pop. “23” é a representação disso e para essas pessoas. Mas, para as pessoas que estão presas ao hip-hop ou só ao pop, a música não é para elas. Ou está lá para as fazer sair dessa caixa. O facto de que alguma pessoa poderia dizer de Miley a fazer rap, a única razão seria porque ela é branca. Eu nunca soube que era preciso ser preto, branco, asiático ou qualquer coisa para fazer rap, eu pensava que era só preciso ter talento.

Com o rap, é só uma forma de nos expressarmos com a música. Sejas bom ou mau no rap, vais cantar, é fazer o que quiseres. Ela canta na música, por isso é outra maneira de se expressar. É uma boa música. Desde que seja boa, nada interessa. Ela faz a sua coisa. Sobre o rap, desde que digas a verdade e tenhas um bom flow, ganhas.

Foi a primeira vez que a ouviste a rappar?
Nós fizemos isso ao mesmo tempo que fizemos “We Can’t Stop.” Eu acho que o fizemos no mesmo dia. Eu deixei-a ouvir a música e ela disse, “Eu consigo safar-me.” eu disse, “Sim sim,” e ela disse, “Eu consigo, a sério.” Ela foi lá e arrasou.

Que mais músicas no Bangerz produziste?
Tenho oito músicas lá. Eu sou o produtor executivo do álbum.

Ela estava a trabalhar muito com o Pharrell antes, ela mudou o seu estilo depois de trabalharem em “We Can’t Stop?”
Ela e o Pharrell são como irmãos. O Pharrell é um Aires também, por isso eu e o Pharrell pensamos da mesma maneira. Ela é fã da cultura urbana. Ela vem da cultura country e cultura pop e ela sabe disso, por isso é fã da cultura urbana tal como eu e eu sou do bairro mas sou fã do mundo pop. Foi por isso que eu queria trabalhar com ela. O Pharrell é uma lenda. Ela ficou apenas a gostar do meu som.

Vê-se que são fãs um do outro. A controvérsia à volta dela incomoda-te?
As pessoas vão odiar. Muitas vezes é a mídia a odiar e não as pessoas, as pessoas reais estão a dizer, “Qual é o problema?” Qualquer coisa que ela faz, se ela bater palmas três vezes eles vão dizer, “Meu, porque é que ela não bateu as palmas quatro vezes?” Se ela fosse aos VMAs e não fizesse twerk, todas as pessoas iriam dizer, “Oh era suposto fazer twerk, porque é que não o fez? Ela não é real.” As pessoas irião pô-la em baixo de qualquer maneira porque tem sucesso.

Quando tens sucesso, tu pões as pessoas a falar, quando as pessoas a viram a crescer e a atuar na Disney puseram-na numa caixa e ela ficou na caixa. Ela não é uma personagem, ela é ela própria. É o que é. É parte do mundo em que vivemos. Quando és branco e tens sucesso, é difícil aceitar que fazes alguma coisa negra. Quando és negro e tens sucesso, é suposto seres alguma coisa “nigga”, para eles falarem e deitarem-te abaixo. Ou é suposto fazeres algo branco e eles chamar-te-ão perfeito. Ela tem 20 anos, é fã de música, extremamente talentada e pode fazer qualquer coisa. Já o provou.

Parece-me que estás muito entusiasmado por trabalhar com ela, há alguma coisa que ela te ensinou e tu ensinaste a ela?
Uma coisa que me ensinou é que é muito boa com harmonias country. Eu sempre lhe disse, “Sê tu própria e não fiques como os outros. Sê tu própria.” Por isso às vezes eu produzia vocais e tinha que ser ela a fazê-lo porque ela chateava-me se o fizesse. Por isso quando ela estava na cabina, eu saia da sala, depois voltava e misturava coisas diferentes e dizia o que ela tinha que mudar.

Eu acho que ela me ensinou sobre as harmonias country. Ela punha-se a tocar algumas bandas rock e músicas country e eu punha Est. 1989, de Gucci Mane. Era uma aula de história. Eu ensinei-a a ser diferente em algumas coisas. Eu tenho 24, ela 20, temos muito a percorrer. Eu penso que ela é a próxima Madonna. Madonna tem 55? Ela tem 35 anos para trabalhar.

Fonte | Tradução: MileyForeverFans






Comenta

Comment: